13.11.08

Eu sofro!

Eu sofro. Eu realmente sofro. Sofro profundamente e não posso suportar. É mais forte que eu.

Como posso continuar fazendo as unhas se Anita - uma indiana de 5 anos - tem a vida tão dura? E se ela pudesse ir a escola? E se ela pudesse brincar? E se ela pudesse comer todos os dias? A essa altura a cena na tv é Anita (uma criança de meio metro) com uma faca gigante na mão descascando uma mandioca mirrada. Eu penso "cameramen estúpido tira essa faca da mão desta criança". Enquanto isso a voz em off continua: "com a sua ajuda ela pode. Ligue para 0800 qualquer coisa e doe 3 pounds..." blá blá blá.

Acabo de passar a primeira camada do meu esmalte vermelho e estour prestes a começar a segunda quando não mais que de repente, outro anúncio. Desta vez são os cachorros abandonados nas ruas. Bob amava seu dono e achava que ele nunca o abandonaria, mas ele o abandonou. Perdido, com frio e com fome - uma cena mesmo depressiva daquele cachorrinho cabisbaixo - ele é enfim resgatado por uma espécie de "cruz vermelha" dos animais. Agora ele está bem e vai abanando o rabinho para ser adotado quando, oh não! A familia não gostou dele e ele volta pra sua gaiolinha.

Nããããããããão, eu não posso suportar. Voz em off: "a realidade de Bob pode ser diferente se você doar..." mudo de canal.

Fotos de um gatinho sem olho, um cachorrinho sem perna, um passarinho sem asa...voz em off: "por apenas 2 pounds por semana você salva a vida de milhares de animais..." mudo o canal outra vez.

Um programa qualquer bem tosco. Ótimo pra eu treinar meu inglês enquanto vou passar a segunda camada.

Voz em off: "eu sou um burrinho de carga. Todos os dias trabalho exaustivamente. Sinto muita sede, mas eles não me dão água, sinto dores mas eles não me deixam parar. As vezes, quando a dor é insuportável eu caio..."

A cena é de um burrinho carregando tijolos, num deserto qualquer da África, com o lombo machucado, magriiiiinho, caído no chão, com aquela cara de coitado que só os burrinhos sofridos da África têm.

Estou em prantos. As lágrimas escorrem dos meus olhos aos litros, gotejam nas minhas unhas recém pintadas, meu coração não aguenta, meu peito dói e o burrinho não pára "as vezes vem uma moça me trazer água, fazer carinho no meu rosto, cuidar dos meus machucados..." Vai voz em off, que porra de número eu ligo pra salvar este burrinho? Não quero doar nada, quero comprá-lo. Aliás, quanto fica o pacote?

Anita, a menina de 5 anos que caminha 2 horas pra buscar água + Bob o cachorro que ninguém quer e esse pobre burrinho que cai exaurido com o lombo cheio de feridas no meio do Marrocos. Tenho 10 libras, pode ser? São todas as moedas do meu cofre. Compro os três, coloco-os para morar no jardim da minha casa.

Anita vai poder enfim brincar, o burrinho vai poder descansar e o cachorrinho vai ter um lar. Vou dar-lhes água, comida, amor e carinho.

E aí quem sabe vocês, vozes em off e cameramens oportunistas, param de invadir a sala da minha casa com essas histórias deprimentes implorando por moedas para salvar os fracos e oprimidos.

Moedas que eu e 90% dos ingleses vamos gastar com cerveja, chocolate ou jornais e quando abrirmos a página lá estarão Anita, Bob e o Burrinho esfregando em nossa cara cheia de blush suas vidas miseráveis.

Acabo de fazer minhas unhas soluçando de tristeza indignação e culpa. Se eu deixasse de andar de metro uma semana provavelmente poderia salvar o mundo!

E o mais engraçado? Com o dinheiro destas publicidades em rede nacional dava pra comprar um snoopy e um ponei pra cada uma das Anitas do planeta.

Sat Nam ;)

2 comentários:

menina_gi disse...

Hilário e cruel. Seu estilo me intriga.
Linda menina, quanto a dizer!!
Bom final de semana...

um beijinho doce pra você ;p

Juju disse...

Guriaaaaaaaa, vc é um bafoooo, amei, amei. Um amigo me indicou, sabia que eu ia amar. Amei. Tamo no mesmo barco. Mesmíssimo. Eu também quero trocar as roupas de cama da minha vida. E ah, eu tbm sofro. Mas sofro muuuuuuuuuitoooo!
See you soon, foi vício à primeira lida.

bjo!