24.11.08

E agora?

Um buraco na janela muda tudo. Eu so queria ler filosofia ouvindo Jimi Hendrix, bebendo vinho e comendo chocolate. Porem um tijolo quebrou o vidro, alguem invadiu minha casa e de um jeito ou de outro, mudou um pouco minha vida.

Levou meu lap top, minhas fotos, minhas musicas, meus escritos. Por intuicao, tenho backup de tudo. Por invasao alguem tem boa parte da minha vida na mao.

E agora? Eh a pergunta que nao quer calar. E agora? Eu nao sabia nem mesmo o numero da policia. Agora ja sei que existem 3 tomando conta do caso - Metropolitan, Islignton e Holloway.

E agora? Fiz amizade com as vizinhas irlandesas e parceria de trabalho com uma delas, que eh fotografa. Conheci Vaz, o Land Lord (dono) da minha casa, conheci Tony - o vidraceiro de Cipre que come bata frita com vinagre -, conheci os oficiais 204 (Lea) e 402 (PC) que foram profundamente queridos e prestativos oferecendo uma compaixao que eu jamais esperava de um policial Europeu. Conheci Ryan o cara da Policia Forense que tem uma mala igualzinha a do SCI e que achou na nossa janela uma impresao digital que "tem grandes chances de ser do invasor".

Reconheci as Carols e Ma e as meninas do Guanabara como minhas amigas de verdade, com quem posso contar sempre. Reconheci o fato de que preciso muito delas.

Relembrei que em situacoes extremas eu me comporto muito bem. Meu raciocinio sobressai as minhas emocoes. Elas, noentanto, foram parar no meu ombro esquerdo e se transformaram na maior dor que eu ja senti na vida. Descobri que nao sei qual o hospital mais proximo da minha casa, nem que atitude tomar numa emergencia medica alem de ligar pro meu pai.

Reconheci que precisava de ares marcianos em toda aquela situacao e liguei para um amigo. Outros, sabendo da noticia, tambem apareceram. Homens nasceram para salvar mocinhas indefesas, eles nunca falham neste tipo de ocasiao. Descobri que eh um conforto te-los por perto tambem nessas horas.

Me senti insegura, perdida, confusa. Me senti sozinha. Me senti querida com todo o carinho que veio atraves do telefone de quem ta longe e de quem ta perto e me senti melhor e mais tranquila.

Continuo sabendo o infinito que existe na frase "bakground familiar" e que eu tenho de sobra.

Tive medo. Muito mais medo de ter que fazer tudo de novo - procurar outra casa, mudar as contas, mudar o endereco no banco, aprender os onibus - do que do assalto em si.

Reconheco que tudo isto me deixou muito esquisita. Muito exposta e muito fragilizada. E que esta descomposicao fisica e mental acontece carregada de uma nova disposicao.

Tenho pena de uma pessoa que invade uma vida e toma posse do que nao eh seu. Tenho pena de uma pessoa que acha que pra chegar do outro lado eh preciso atirar um tijolo, quebrar uma janela e sair correndo depois.

Descobri que encontrar perspectivas positivas atras de situacoes indubtavelmente ruins eh inteligente e mais facil do que parece.

Trocar o Jimi Hendrix, o chocolate e a filosofia por umas xicaras de Cha com as vizinhas de cima na cena do crime nao foi uma escolha minha. Ter que comprar um computador novo nao estava nos meus planos financeiros para este ano e me sentir estranha quando estava me sentindo plenamente adptada nao era o que eu mais queria.

Porem, a disposicao de nao tomar esta invasao como ofensa, me deixa claro que o importante eh solucionar os danos praticos e abracar aprendizados, descobertas e oportunidades que surgem de tudo isto.

Conheci o desprazer de uma noite mal dormida por culpa de uma dor muscular e a sensacao de nao saber o que fazer diante de um incidente inesperado. Descobri que nao mais que de repente uma algumas prioridades mudam de ordem na nossa vida. A neve caiu no domingo, o sol nasceu na segunda e percebi que mesmo descompassada nao sai do meu centro.

Aprendi que equilibrio tem mais a ver com nossa a disposicao para alcancar o outro lado dos muros do que com a dos outros de estilhacar nossas janelas.

E agora? Eh uma questao sempre em aberto pra quem busca evoluir.

Sat Nam ;)

Um comentário:

menina_gi disse...

Querida, que triste esse episódio. Espero que essa janela se feche e novas sejam abertas com belas paisagens.Muita protecão e luz pra ti.

Sincero

pqna*